Páginas

16 de jun de 2013

Livro: Starters

Tive vontade de ler esse livro desde que li a sinopse por um fato muito simples. Ele me lembra uma série chamada Dollhouse que assisti há algum tempo, antes do Blog (logo, nunca fiz resenha), mas que curtia muito.
Li algumas resenhas reclamando que demoram para entender a ideia, de como uma identidade pode 'entrar' no corpo de outra pessoa, como alugar um corpo e etc. Enfim, eu não tive esse problema. Imaginei como na série. E talvez esse tenha sido um problema. Porque apesar do livro partir dessa mesma ideia, esse aluguel temporário de um novo corpo, a história é bastante diferente, com objetivos distintos.
Enquanto no livro os corpos são de adolescentes sem familiares para protegerem, na série eles eram adultos que sofreram um trauma e não queriam passar pelo processo de luto, então aceitavam dormir por 5 anos. No livro, a criança assina por 3 aluguéis, na série, como já disse, é por um tempo.
Até o mecanismo de transferência de consciência é bastante diferente. Enquanto na série essa consciência pode ser criado no computador, sendo possível criar uma especialista em assaltar um banco, ou mesmo colocar a memória de uma ex-namorada/esposa que já morreu para viver mais um dia de amor, de lembrança, no livro a pessoa que transfere a consciência fica com o corpo como que meditando em uma sala no laboratório, sendo frágil e suscetível a uma série de problemas - como acontecem no livro.

Mas agora falando apenas do livro e com alguns spoilers, o mesmo veio nessa onda de distopia que está acontecendo no mercado editorial, e como tal, é em um futuro distante, onde houve uma "guerra de esporos" que matou toda a geração do meio, ou seja, dizimou os adultos. Agora na sociedade só existem crianças ou idosos. É o extremo do que aconteceria se realmente apenas privilegiássemos os extremos da sociedade na hora de vacinar e/ou proteger contra qualquer ataque. E a população idosa chega a viver 200 anos, pois a medicina evoluiu ou sei lá. Faz parte da premissa do livro. E claro que se você viveu 150 anos, algum dinheiro você tem, ou você é muito burro. Então, as crianças que tinham avós vivem uma vida de ricos, e as crianças sem, ficaram órfãos e sofrem com o abandono, com o detalhe que não podem trabalhar legalmente, pois os idosos precisam trabalhar, logo é proibido trabalhar antes dos 19 anos. Isso gera uma sociedade bem complicada.... Ainda mais que não existe a classe média. Nem entre idosos e muito menos entre as crianças. É muito estranho, para não dizer impossível, pensar uma sociedade assim. Mas ei, é uma distopia e como tal, não perguntamos como chegamos ali, perguntamos o que fazer depois dali.

O livro levanta uma série de perguntas: Se você pudesse ocupar o corpo de alguém, de uma criança, viver como ela por um determinado tempo, você aceitaria? Pagaria para largar seu corpo em um canto e usar o de uma supermodelo? Mesmo sabendo que ela está ainda ali, em algum lugar no canto...
É uma situação complicada e não duvido que haja pesquisas desse gênero acontecendo. Até porque, no caso de Dollhouse, você pode usar a tecnologia para inserir um conhecimento da sua mente, sem precisar nunca estudar por isso. No caso de Starters, o corpo do adolescente que está alugando, mantém a memória das atividade físicas praticadas antes, permitindo que o inquilino utilize essa habilidade para o seu bel prazer.

A série e o livro são coisas bastante diferentes, e apesar de eu gostar mais da série, não achei o livro ruim. Ele é apenas mais um livro distópico, enquanto a série eu nunca vi nada igual. Quero a continuação do livro para saber se irá se desenvolver em algum debate mais interessante que esse primeiro, afinal, ele é apenas uma introdução, e a ideia de alugar seu corpo (não se prostituir) tem que ser explicada com calma para que o leitor possa pensar em todas as implicações éticas e morais que essa tecnologia geraria.

E sim, a Editora Novo Conceito acreditou muito nesse livro, pois ele tem desenho atrás da capa, na época do lançamento tinha um "joguinho" na página da editora e ainda foi dublado esse book trailer que me lembrou um pouco da série:


Nenhum comentário:

Postar um comentário